Contenido principal del artículo

Fernando Seliprandy
Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Brasil
Biografía
Núm. 20 (2020), Representaciones autobiográficas y construcción de memorias personales, Páginas 137-164
DOI: https://doi.org/10.24310/Fotocinema.2020.v0i20.7595
Derechos de autor

Resumen

O irrepresentável é uma matriz teórica recorrente nas análises do documentário subjetivo contemporâneo. Oriunda dos estudos do Holocausto, esta abordagem contém o trauma pessoal e histórico em seu núcleo, fundamentando várias considerações sobre o cinema documental realizado por descendentes de militantes vítimas das ditaduras do Cone Sul. O objetivo aqui é promover uma discussão acerca do representável a partir da análise de Os dias com ele (Maria Clara Escobar, 2013), documentário no qual a filha enfrenta as resistências do pai em relatar as torturas sofridas durante a ditadura brasileira (1964-1985). Os impasses da memória se manifestam com força nesse filme, em diálogos tensos e enquadramentos de um vazio eloquente. Contudo, junto com o reconhecimento das aporias da representação, é possível fazer outras apostas interpretativas. Se os vazios são plenos de significados, os vestígios do passado inscritos nas imagens também merecem atenção. A hipótese é que, no lugar do foco exclusivo nas aporias do irrepresentável, uma interpretação historiográfica dessa obra deve levar em conta, dialeticamente, os vazios e os vestígios da memória. Reivindica-se, assim, uma visada referencial que é não só epistemologicamente possível, mas politicamente urgente face à ofensiva negacionista que ganha cada vez mais espaço no Brasil pós-2018.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Referencias

Álvarez, E. C. (2010). De vuelta a casa: variaciones del documental realizado con cine doméstico. In: Álvarez, E. C. (Ed.). La casa abierta: el cine doméstico y sus reciclajes contemporáneos (pp. 121-166). Madrid: Ocho y Medio.
Arquidiocese de São Paulo (1998). Brasil: nunca mais. 29. ed. Petrópolis: Editora Vozes.
Arquidiocese de São Paulo (1985). Brasil: nunca mais. Perfil dos atingidos. Tomo III. São Paulo. http://www.dhnet.org.br/w3/bnm/tomo_iii_perfil_dos_atingidos.pdf
Arthuso, R. (2013). Demasiadamente humano. Revista Cinética, jan. http://www.revistacinetica.com.br/osdiascomele.htm
Barrenha, N. C. (2013). Silêncios históricos e pessoais: memória e subjetividade no documentário latino-americano contemporâneo. In: Paiva, C. C. da S., Araújo, J. J., & Barreto, R. R. (Org.). Cultura audiovisual: transformações estéticas, autorais e representacionais em multimeios (pp. 327-350). Campinas: Unicamp/Instituto de Artes. https://goo.gl/8gkXKa
Barrenha, N. C., & Piedras, P. (Org.) (2014). Silêncios históricos e pessoais: memória e subjetividade no documentário latino-americano contemporâneo. Campinas: Editora Medita. (Catálogo da mostra). https://goo.gl/wxbYPu
Benjamin, W. (1994). Experiência e pobreza. In: Benjamin, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura (pp. 114-119). 7. ed. São Paulo: Brasiliense. (Obras escolhidas, v. 1).
Bernardet, J.-C. (2003). A entrevista. In: Bernardet, J.-C. Cineastas e imagens do povo (pp. 281-296). São Paulo: Companhia das Letras.
Bezerra, J., & Gonçalo, P. (2018). Realismo especulativo. ECO-PÓS, v. 21, n. 2, 1-11, set. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v21i2.20510
BNM 701 (2013). Projeto “Brasil: nunca mais digit@l”. http://bnmdigital.mpf.mp.br/sumarios/700/701.html
Brasil, A. (2013). Formas do antecampo: performatividade no documentário brasileiro contemporâneo. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 20, n. 3, 578-602, set.-dez. http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2013.3.14512
Cardenuto, R. (2018). Memórias em negociação: o documentário brasileiro nos trânsitos entre História e subjetividade. In: Morettin, E., & Napolitano, M. O cinema e as ditaduras militares: contextos, memórias e representações audiovisuais (pp. 167-193). São Paulo: Intermeios; Porto Alegre: Famecos.
Comisión Nacional sobre la Desaparición de Personas (2011). Nunca más: informe de la Conadep. 8. ed. Buenos Aires: Eudeba.
Comissão Nacional da Verdade (2014). Relatório. Brasília: CNV. v. 1. https://goo.gl/xy97xM
Crenzel, E. (2014). La historia política del Nunca más: la memoria de las desapariciones en la Argentina. 1. reimp. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores.
Didi-Huberman, G. (2012). Imagens apesar de tudo. Lisboa: KKYM.
Eco, U. (2004). Lector in fabula: a cooperação interpretativa nos textos narrativos. 2. ed. São Paulo: Perspectiva.
Espagne, M. (2013). La notion de transfert culturel. Revue Sciences/Lettres, n. 1. http://rsl.revues.org/219
Feldman, I. (2017). Do pai ao país: o documentário autobiográfico em face do fracasso das esquerdas no Brasil. In: Holanda, K., & Tedesco, M. C. (Org.). Feminino e plural: mulheres no cinema brasileiro (pp. 213-225). Campinas: Papirus.
Feldman, I. (2014). Do privado ao político: em torno de Os dias com ele. In: Estudos de Cinema e Audiovisual Socine, 17., 2013 (pp. 336-343), Florianópolis. Anais… São Paulo: Socine. https://goo.gl/DPDVUz
Feldman, I. (2016a). Imagens apesar de tudo: problemas e polêmicas em torno da representação, de Shoah a O filho de Saul. ARS, São Paulo, v. 14, n. 28, 134-153, jul.-dez. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2016.124999
Feldman, I. (2016b). Os dias com ele é filme corajoso sobre lacunas na relação com pai. Folha de S. Paulo, São Paulo, 20 mar. Ilustríssima. https://goo.gl/dWwDpj
Ferro, M. (2010). Cinema e história. São Paulo: Paz e Terra.
Fontes, I. (2015). A ditadura militar brasileira documentada: Os dias com ele. Guavira Letras, Três Lagoas, n. 20, 154-163, jan.-jun. https://goo.gl/mgF7UQ
França, A., & Machado, P. (2014a). A imagem-excesso, a imagem-fóssil, a imagem-dissenso: três propostas cinematográficas para a experiência da ditadura no Brasil. In: Gonçalves, O. (Org.). Narrativas sensoriais: ensaios sobre cinema e arte contemporânea (pp. 209-233). Rio de Janeiro: Editora Circuito.
França, A., & Machado, P. (2014b). Imagem-performada e imagem-atestação: o documentário brasileiro e a reemergência dos espectros da ditadura. Galáxia, São Paulo, n. 28, 70-82, dez. https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/16497/16723
Ginzburg, C. (2007). Feitiçaria e piedade popular: notas sobre um processo modenense de 1519. In: Ginzburg, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história (pp. 15-39). 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras.
Ginzburg, C. (2010). Investigando Piero: o Batismo, o ciclo de Arezzo, a Flagelação de Urbino. São Paulo: Cosac Naify.
Ginzburg, C. (2011a). Micro-história: duas ou três coisas que sei a respeito. In: Ginzburg, C. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício (pp. 249-279). São Paulo: Companhia das Letras.
Ginzburg, C. (2011b). Provas e possibilidades (Posfácio a Natalie Zemon Davis, O retorno de Martin Guerre). In: Ginzburg, C. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício (pp. 311-335). São Paulo: Cia. das Letras.
Ginzburg, C. (2014). Rapporti di forza: storia, retorica, prova. Milano: Feltrinelli.
Ginzburg, C. (2011c). Unus testis: o extermínio dos judeus e o princípio de realidade. In: Ginzburg, C. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício (pp. 210-230). São Paulo: Companhia das Letras.
Holanda, K. (2015). Documentaristas brasileiras e as vozes feminina e masculina. Significação, São Paulo, v. 42, n. 44, 339-358, dez. https://www.revistas.usp.br/significacao/article/view/103434
Huyssen, A. (2014). Apresentação. In: Huyssen, A. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memoria (pp. 11-17). Rio de Janeiro: Contraponto.
Maciel, W. A. (2009). Militares de esquerda: formação, participação política e engajamento na luta armada (1961-1974). 212 f. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. https://goo.gl/jP9Smh
Maia, C. (2015a). Hipóteses para Os dias com ele. In: Maia, C., & Escobar, M. C. Duas notas sobre Os dias com ele. Rio de Janeiro: Instituto Moreira Salles. p. 5-15. (Livreto encartado no DVD).
Maia, C. (2014). História e, também, nada: o testemunho em Os dias com ele, de Maria Clara Escobar. Cinémas d’Amérique latine, Toulouse, n. 22, 140-151. http://cinelatino.revues.org/882
Maia, C. (2015b). Pequenas histórias face à grande história. Rebeca, ano 4, ed. 7, 395-415, jan.-jun. http://dx.doi.org/10.22475/rebeca.v4n1.155
Malerba, J. (2006). Teoria e história da historiografia. In: Malerba, J. (Org.). A história escrita: teoria e história da historiografía (pp. 11-26). São Paulo: Contexto.
Marques, A. R. (2015). A construção dos personagens na performance e montagem de Os dias com ele. In: Estudos de Cinema e Audiovisual Socine, 18., 2014 (pp. 422-428), Fortaleza. Anais… São Paulo: Socine. https://goo.gl/PkoqAf
Migliorin, C. (2015). Carta 4: Os dias com ele, para Maria Clara Escobar. In: Migliorin, C. Cartas sem resposta (pp. 57-64). Belo Horizonte: Autêntica Editora.
Migliorin, C. (2013). Impressões do crítico Cezar Migliorin sobre o filme Os dias com ele. 16ª Mostra de Cinema de Tiradentes, 27 jan. https://goo.gl/nvmfKv
Napolitano, M. (2014). 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto.
Napolitano, M. (2017). Coração civil: a vida cultural brasileira sob o regime militar (1964-1985). São Paulo: Intermeios.
Napolitano, M. (2015). Recordar é vencer: as dinâmicas e vicissitudes da construção da memória sobre o regime militar brasileiro. Antíteses, v. 8, n. 15 esp., 9-44, nov. http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/23617
Odin, R. (2010). El cine doméstico en la institución familiar. In: Álvarez, E. C. (Ed.). La casa abierta: el cine doméstico y sus reciclajes contemporáneos (pp. 39-60). Madrid: Ocho y Medio.
Parada, M. M. (2015). Cine autobiográfico femenino: éste no es mi padre. In: Estudos de Cinema e Audiovisual Socine, 18, 2014 (pp. 630-635), Fortaleza. Anais… São Paulo: Socine. https://goo.gl/PkoqAf
Rancière, J. (1997). L’inoubliable. In: Comolli, J.-L., & Rancière, J. Arrêt sur histoire (pp. 47-70). Paris: Centre Georges Pompidou.
Rancière, J. (2012). O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto.
Ricœur, P. (2007). A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp.
Ridenti, M. (2010). O fantasma da revolução brasileira. 2. ed. São Paulo: Editora Unesp.
Sarlo, B. (2007). Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG.
Seliprandy, F. (2018). Documentário e memória intergeracional das ditaduras do Cone Sul. 2018. 377 p. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-25092018-125808/pt-br.php
Veiga, R. (2016a). Autobiografia “não autorizada”: por uma experiência limiar no documentário na primeira pessoa. Doc On-line, n. 19, 42-59, mar. http://www.doc.ubi.pt/19/dossier_3.pdf
Veiga, R. (2016b). Por uma política da rememoração: a potência histórica do cinema de experiência pessoal. Contracampo, Niterói, v. 35, n. 3, 187-210, dez. http://www.contracampo.uff.br/index.php/revista/article/view/865
White, H. (1992). Historical emplotment and the problem of truth. In: Friedländer, S. (Ed.). Probing the limits of representation: Nazism and the “Final Solution” (pp. 37-53). Cambridge: Harvard University Press.